Todo iogurte tem probióticos?

Não. Nem todos. E a gente explica por quê! Mas, antes, vamos entender o que é um iogurte.

O iogurte nada mais é do um leite que é fermentado por bactérias.  Essas bactérias se alimentam de lactose (açúcar do leite) e liberam ácido láctico. É esse processo que dá o gosto azedinho característico e a consistência típica do produto.

 

Para promover a fermentação, os iogurtes possuem pelo menos dois tipos de bactérias, Lactobacillus bulgarius e o Streptococus thermophilus. Os probióticos são bactérias que sobrevivem à acidez do estômago e chegam vivas ao intestino, contribuindo para o efeito saudável ao organismo. Podem estar presentes nos iogurtes, leites fermentados e em outros produtos lácteos ou não lácteos. Deu pra entender a diferença? Agora vamos lembrar o que são probióticos.

 

Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), os probióticos são micro-organismos vivos que, quando administrados em quantidades apropriadas, conferem benefícios à saúde do indivíduo. Alguns alimentos que entram nessa categoria entregam mais de bilhões (!) de bactérias ainda vivas diretamente ao intestino. E não são quaisquer bactérias, mas tipos definidos, ou cepas, que contribuem para a saúde digestiva e podem favorecer a imunidade e ajudar em problemas como o de constipação.

 

Para ser considerado um probiótico, é preciso comprovar aos órgãos reguladores que o microrganismo utilizado no produto desempenha um benefício específico e que o mesmo é seguro para consumo da população em geral.

 

Mas como identificar produtos com essas bactérias boas?

Se você deseja produtos com probióticos, que têm seu consumo associado a benefícios ao trato gastrointestinal, leia os rótulos. Atualmente, é necessário a comprovação pela ANVISA da eficácia e segurança dos probióticos nos produtos.

 

O Bifidobacterium animalis é o mais comum encontrado nos alimentos e ele tem uma ação específica no corpo, ajudando a reduzir a frequência de desconforto intestinal (desconforto abdominal, inchaço, flatulência, ruídos intestinais).

 

Considere também que quando a flora intestinal (microbiota) está em harmonia, o sistema imunológico se fortalece. Afinal, o intestino é responsável por entre 70 % a 80% das células de defesa do corpo, conforme demonstram estudos.

 

E aí, já ingeriu probióticos hoje?

 

Referências

Probióticos, prebióticos e a microbiota intestina - Nino Binns - International Life Science Institute (Ilsi) (sobre a inexistência de risco à saúde)
http://ilsi.org/europe/wp-content/uploads/sites/3/2016/05/Probi%C3%B3ticos.pdf

 

PROBIÓTICOS E ALIMENTOS LÁCTEOS FERMENTADOS - UMA REVISÃO - Universidade Feevale – Novo Hamburgo (RS)
https://www.revistadoilct.com.br/rilct/article/download/50/56

Você também pode gostar