Probióticos ajudam a combater sintomas da Síndrome do Intestino Irritável

Os benefícios dos probióticos são comprovados para diversos transtornos do sistema digestivo, inclusive nos sintomas da Síndrome do Intestino Irritável (SII). O quadro incômodo, caracterizado por aspectos como dor abdominal e alteração dos hábitos intestinais, que muitas vezes podem alternar entre constipação e diarreia, acomete de 5% a 20% da população adulta, com índices mais altos entre mulheres e indivíduos de mais idade, de acordo com dados divulgados no livro Probióticos, prebióticos e a microbiota intestinal, do International Life Sciences Institute (Ilsi)

Além de terem relação com problemas inflamatórios, infecções intestinais prévias parecem ter participação no desencadeamento da síndrome. Para tratar o problema, em geral, costuma-se adotar, segundo orientação médica, uma combinação de remédios, diminuição dos níveis de estresse e mudanças na alimentação. 

A inclusão de uma dieta com probióticos e prebióticos tem sido investigada como uma forma de auxiliar no tratamento do problema. Principalmente, pelo fato de as pessoas com a síndrome sofrerem alterações na microbiota (antes chamada de  flora intestinal), que hospeda um conjunto de bactérias, algumas benéficas e outras nem tanto. 

Demonstrou-se que algumas preparações probióticas promovem diminuição de sintomas no geral e redução da dor abdominal. Um estudo realizado pela Danone Research Route Départementale, em Palaiseau, na França, em conjunto com outros pesquisadores franceses, por exemplo, revelou que alimentos probióticos melhoram o desconforto causado pela Síndrome do Intestino Irritável e diminuem o inchaço abdominal.

Outra pesquisa, publicada no periódico Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology em 2010 e realizada por cientistas de Harvard, nos Estados Unidos, e da Universidade de Toronto, no Canadá, revelou que pacientes com a síndrome tratados com probióticos do tipo Bifidobacterium infantis relataram melhoria da qualidade de vida e redução da dor abdominal e inchaço e ausência de alterações na consistência das fezes. O mesmo estudo mostrou que mulheres com o transtorno tratadas com Bifidobacterium infantis tiveram redução da dor abdominal, do inchaço, da disfunção intestinal, da evacuação incompleta, do esforço e de gases, em comparação com placebo após quatro semanas de terapia.

As notícias são boas para quem sofre do problema. Isso porque os incômodos com a síndrome aumentam os riscos de os portadores desenvolverem depressão. Um estudo publicado pela Universidade de Boston, nos Estados Unidos, declarou elevação de 40% no risco do transtorno mental entre pacientes com a síndrome.

Ainda são necessárias mais pesquisas, mas os resultados de pesquisas que trataram portadores da síndrome com probióticos são animadores.

Fontes:
Probiotics and the gut microbiota in intestinal health and disease - Nature Reviews Gastroenterology & Hepatology
https://www.nature.com/articles/nrgastro.2010.117 

Probióticos, prebióticos e a microbiota intestinal - Ilsi - International Life Sciences Institute
http://ilsi.org/europe/wp-content/uploads/sites/3/2016/05/Probi%C3%B3ticos.pdf

Irritable bowel syndrome: analyzing the brain-gut axis and efficacy of psychological treatment - Boston University School Of Medicine
https://open.bu.edu/bitstream/handle/2144/23848/Rashid_bu_0017N_12751.pdf?sequence=5&isAllowed=y

Effect of a fermented milk containing Bifidobacterium animalis DN-173 010 on the health-related quality of life and symptoms in irritable bowel syndrome in adults in primary care: a multicentre, randomized, double-blind, controlled trial - Danone Research Route Départementale, Palaiseau, France - D. Guyonnet et al.
https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1111/j.1365-2036.2007.03362.x

Você também pode gostar