Gut feeling: como o intestino avisa ao cérebro que você está satisfeito
Facebook

Gut feeling: como o intestino avisa ao cérebro que você está satisfeito

Texto de introdução
Você sabia que as bactérias do intestino podem ter um papel importante na regulação do apetite? Segundo um estudo publicado em 2015 no periódico Cell Metabolism, 20 minutos depois de uma refeição, esse micro-organismos produzem compostos que podem sinalizar saciedade e ajudar a controlar quando e o quanto comemos.

O estudo levanta uma teoria interessante: uma vez que as bactérias do intestino dependem dos alimentos que chegam ao órgão para viver, é uma vantagem para elas permanecerem estáveis. Faria sentido, então, que elas tivessem uma maneira de se comunicar com o hospedeiro quando estáveis, fazendo o cérebro nos informar que estamos saciados. 

Como as bactérias do intestino avisam ao cérebro que o corpo não precisa mais de comida
 
No laboratório, os cientistas descobriram que após 20 minutos de consumo de nutrientes, muitas bactérias do intestino podem fabricar peptídeos  semelhantes aos hormônios que regulam a fome. Isso levanta a possibilidade de que os micro-organismos possam influenciar o comportamento alimentar humano através da produção desses peptídeos, ou, indiretamente, por meio de anticorpos que podem interferir na regulação do apetite. Peptídeos são fragmentos de proteínas que ocorrem naturalmente no alimento, no seu processamento ou pela digestão incompleta da proteína no sistema digestório e são absorvidos como tal. Alguns desses peptídeos possuem um impacto positivo nas condições e funções corporais, podendo influenciar na saúde. 
 
O intestino também contém neurônios localizados em suas paredes, em uma rede conhecida como sistema nervoso entérico. Por meio dessa rede, ele se comunica com o cérebro – daí o chamado eixo cérebro-intestino – com sinais que fluem em ambas as direções. Acredita-se que esse eixo esteja envolvido em muitas funções e sistemas regulares dentro do corpo saudável, incluindo a regulação da fome.


Quando a comida chega ao estômago, certos hormônios intestinais são secretados. Estes ativam as vias de sinalização do intestino para o regiões do cérebro responsáveis por sensações, para interromper o consumo de alimentos. 

Essa relação rica entre o cérebro e o intestino mostra a importância de manter este segundo órgão funcionando corretamente, inclusive para regular a própria fome. É um ciclo complexo, mas que só reforça a ideia de que realmente temos um segundo cérebro na região abdominal.

Fontes:
Is eating behavior manipulated by the gastrointestinal microbiota? Evolutionary pressures and potential mechanisms
https://onlinelibrary.wiley.com/doi/full/10.1002/bies.201400071

Gut Commensal E. coli Proteins Activate Host Satiety Pathways following Nutrient-Induced Bacterial Growth
https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S1550413115005665