O sono e sua importância para o organismo

O sono e sua importância para o organismo

O sono ainda é uma incógnita para a ciência. Por que dormimos, o quanto devemos dormir, e como explicar a relação que o sono tem com o bom funcionamento de diversos mecanismos do corpo, ainda são perguntas sem respostas precisas. Mas alguns estudos tentam se aproximar de explicações contundentes para essas dúvidas que circundam o universo dos sonhos.

Motivos para ter uma boa noite de sono é que não faltam. Dezenas de pesquisas mostram que ficar sem dormir realmente faz mal ao organismo e que, assim como a prática de exercícios físicos regulares e a alimentação saudável, descansar um mínimo de horas por dia também é essencial para ter qualidade de vida.

A privação parcial do sono tem um efeito significativo no humor, por exemplo. Pesquisadores da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, revelaram que indivíduos que dormiram apenas 4,5 horas de sono por noite em uma semana relataram se sentir mais estressados, irritados, tristes e mentalmente exaustos. Quando os participantes retomaram o sono normal, relataram uma melhora drástica no humor.

Já que as horas de sono afetam o humor, é de se esperar que também afetem os estados mentais e transtornos a eles relacionados. Cientistas britânicos&sup2;, da Universidade de Glasgow, analisaram padrões de atividade e repouso diurnos e noturnos de mais de 90 mil pessoas e descobriram que os indivíduos que tinham o sono interrompido apresentavam também maior risco de distúrbios de humor, como transtorno bipolar e depressão.E a conexão entre fechar os olhos à noite e o funcionamento do cérebro não param por aí. Em abril, uma pesquisa realizada na Universidade da Califórnia; mostrou que quanto menos as pessoas dormiam, maior era o acúmulo de beta-amiloide no cérebro -- o acúmulo dessas proteínas é uma das principais características do mal de Alzheimer. O estudo destaca os efeitos que o sono tem na função cerebral, principalmente em relação à cognição. Além de prevenir distúrbios mentais, dormir bem ainda protege o corpo de outras doenças, como diabetes. Um estudo publicado em setembro no periódico <em>American Journal of Physiology - Endocrinology and Metabolism descobriu que perder uma noite de sono pode afetar a capacidade do fígado de produzir glicose e processar insulina, aumentando o risco de doenças metabólicas, como a esteatose hepática (gordura no fígado) e diabetes tipo 2.&nbsp;</p><p>No livro <em>Sleep Disorders and Sleep Deprivation: An Unmet Public Health Problem</em>(5), os autores mostram que, em comparação com adultos que dormem de sete a oito horas por noite, as pessoas que dormem seis horas têm 1,7 mais chances de desenvolver diabetes, e as que dormem cinco horas têm 2,5 mais chances de ter a doença.</p><p>Diante de tantos benefícios que o &lsquo;dormir bem&rsquo; nos traz, já deu para perceber que dar valor ao seu colchão não é bobagem, não é mesmo?.&nbsp;</p><p><br />Fontes:

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9231952" target="_blank">https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/9231952&nbsp;&nbsp;</a><br />2. <a href="https://www.thelancet.com/journals/lanpsy/article/PIIS2215-0366(18)30139-1/fulltext" target="_blank">https://www.thelancet.com/journals/lanpsy/article/PIIS2215-0366(18)30139-1/fulltext</a><br />3. <a h
https://www.pnas.org/content/115/17/4483.short" target="_blank">https://www.pnas.org/content/115/17/4483.short</a><br />4. <a href="https://www.physiology.org/doi/abs/10.1152/ajpendo.00072.2018" target="_blank">https://www.physiology.org/doi/abs/10.1152/ajpendo.00072.2018&nbsp;</a><br />5. <a href="https://www.nap.edu/read/11617/chapter/5" target="_blank">https://www.nap.edu/read/11617/chapter/5</a></p><p>&nbsp;</p>

  • URL foi copiada para a área de transferência

2020 Danone Ltda. Todos os direitos reservados.